Quer um 911 híbrido? Já existe, mas não é da Porsche

postado em: Autossustentabilidade | 0

O CEO da Porsche, Oliver Blume, já abriu o jogo, afirmando que irá existir uma versão híbrida do 911 dentro de uns anos. Como não queria esperar, a Vonnen fez o seu. E parece funcionar na perfeição.

A Porsche vai lançar uma versão híbrida do mítico 911, só não se sabe quando. Pelo menos, foi esta a informação veiculada pelo seu CEO, Oliver Blume, quando se pronunciava sobre a próxima geração do modelo, que está em vias de chegar ao mercado. Mas a Porsche, à semelhança dos restantes construtores, tem de reduzir drasticamente as emissões de CO2 dos seus veículos, pelo que faz parte da estratégia – neste caso é mais necessidade – lançar uma série de veículos 100% eléctricos e uma quantidade ainda maior de modelos híbridos, para reduzir os consumos (e as emissões) das unidades que continuam fiéis aos combustíveis fósseis.

Pouco interessados em esperar que a marca alemã do Grupo Volkswagen se digne a apresentar a sua versão menos poluente (e mais potente) do 911, os californianos da Vonnen Performance resolveram o problema e criaram o “seu” 911 híbrido. Desenvolveram um kit que se pode aplicar a qualquer 911, mesmo se usado, que inclui um motor eléctrico a incorporar entre o motor de seis cilindros e a caixa de velocidades, uma bateria colocada à frente para ajudar a equilibrar o veículo, e uma caixa de gestão, posicionada atrás, sobre o motor.

A agilidade e a competência da Vonnen vêm recordar os mais incrédulos que isto dos eléctricos veio mesmo retirar a vantagem aos construtores convencionais, pois esta empresa da Califórnia tem já à venda, por 75.000 dólares, um kit que se pode aplicar em qualquer 911 (e também Boxster ou Cayman) fabricado entre 2012 e 2016. Transforma instantaneamente um veículo a gasolina num híbrido.

O que os técnicos da Vonnen fazem é retirar o volante do motor convencional e substituí-lo por um volante que integra um motor eléctrico de 177 cv, que assim fica colocado entre o motor e a caixa, fornecendo a sua força à transmissão e reforçando a potência da unidade a gasolina. E tudo isto incrementando apenas o peso total em 54 kg, uma vez que, apesar de passar a integrar um motor eléctrico, saem o volante do motor (igualmente pesado) e o motor de arranque, pois os 177 cv cobrem essa necessidade.

O motor é alimentado por uma pequena bateria de iões de lítio colocada à frente, com 38 kg, que é parcialmente compensada pela troca da bateria tradicional de 12V por outra substancialmente mais pequena e leve, uma vez que deixa de servir para pôr o motor em marcha.

Animada pela receptividade ao seu 911 híbrido, a Vonnen está a ultimar uma versão mais potente para os condutores mais exigentes, que essencialmente pretendem ter mais potência do que um 911 Turbo, ou GT2, mas sem incrementar as emissões. Nessa versão, denominada Stage II, o transformador americano monta uma bateria com o dobro da capacidade e um motor com o dobro da potência, o que vai permitir ao mais “anémico” dos 911 de 2016 elevar os 370 cv originais para uns muito mais entusiasmantes 724 cv, fruto dos 354 cv fornecidos pelo motor eléctrico king size. E a Vonnen está já a adaptar o sistema a veículos de outros tipos, mais jovens ou com mais anos de uso.

Fonte: Observador – Portugal