9 mitos sobre carros elétricos para você parar de acreditar agora mesmo

postado em: Autossustentabilidade | 0

NB – A matéria é de 2019, porém as informações continuam importantes e atuais. Eu excluí a parte de publicidade do texto, deixei somente as explicações técnicas que desmentem os mitos sobre os veículos elétricos, se quiser ver o texto completo, acesse a matéria no Tecmundo cujo link está no final do texto.

 

Imagem de: 9 mitos sobre carros elétricos para você parar de acreditar agora mesmo

Os carros elétricos estão se tornando uma realidade cada vez mais presente em nossa sociedade — inclusive no Brasil. Já não é tão raro encontrar um veículo movido a eletricidade, sem falar na quantidade de fabricantes que vendem modelos com essa capacidade em terras nacionais.

Embora os carros elétricos estejam se tornando mais conhecidos, ainda há muitos mitos sobre esse assunto. Será que a bateria “vicia”? Posso levar choque enquanto dirijo um veículo movido a eletricidade? Demora muito para recarregar a bateria do carro? Essas são apenas algumas das dúvidas mais comuns em relação aos veículos elétricos.

Com o objetivo de esclarecer o tema, o TecMundo, em parceria com a Nissan, traz agora os 9 maiores mitos sobre os carros elétricos e explica por que você não deve acreditar neles.

1. Os motores elétricos são todos iguais
Esse é um mito bastante comum, mas fácil de entender por que não é verdade. Assim como os motores a combustão, existem vários tipos de motores elétricos. É verdade que eles têm alguns aspectos em comum, mas há muitos detalhes que os diferenciam.

Novo Nissan Leaf

2. A vida útil de um carro elétrico é menor que a de um carro convencional
Uma das maiores preocupações dos futuros donos de carros elétricos é com relação à vida útil do veículo. Na realidade, muitos questionam a durabilidade da bateria, acreditando que ela não aguentará muito tempo e será necessário fazer trocas constantes.

Novo Nissan Leaf

Contudo, as baterias usadas nos carros elétricos evoluíram muito e definitivamente já apresentam uma ótima vida útil. É óbvio que a capacidade pode depender de vários fatores, como condições de uso e conservação, mas é normal que as baterias de íon de lítio (as mais usadas) tenham durabilidade de mais de 10 anos.

3. A bateria do carro pode “viciar”
Também chamado de efeito memória, esse problema ficou bem conhecido nos celulares alguns anos atrás. Em modelos antigos, era preciso esperar o aparelho descarregar totalmente antes de colocá-lo para carregar; caso contrário, a bateria começaria a “viciar”, diminuindo sua vida útil.

Novo Nissan Leaf

No caso dos veículos elétricos, a redução da capacidade varia dependendo do meio ambiente em que o veículo é usado e do método de recarga.

Para prevenir essa perda gradual da capacidade, recomendamos três ações que ajudam a estender a vida útil da bateria.

Carregamento: quando a bateria tiver mais que 80% da capacidade restante, evite sobrecarregar. Isso também é aplicável quando o veículo não for conduzido por um longo período.
Método de recarga: embora a função de recarga rápida seja conveniente, isso causará o aumento da temperatura da bateria em comparação à recarga normal. Quando não for absolutamente necessário, opte pela recarga normal.
Temperatura da bateria: dirigir com o medidor de temperatura da bateria na zona vermelha (informação do painel) causará a redução da capacidade da bateria mais rapidamente devido ao aquecimento.

4. O motorista pode levar choques enquanto dirige um carro elétrico
Ao contrário do que muitos imaginam, não existe risco de levar um choque ao dirigir um veículo elétrico. Isso acontece porque a bateria e os outros componentes elétricos usados para o funcionamento do automóvel estão muito bem isolados. Nem mesmo uma enchente oferece perigo para quem estiver perto do veículo.

Além disso, a bateria está protegida com a carroceria rígida do veículo, de modo que a segurança seja a máxima em caso de acidentes.

Novo Nissan Leaf

Outro medo recorrente é com relação à possibilidade de explosões durante a recarga, algo que já aconteceu com alguns smartphones modernos. Porém, em se tratando dos carros elétricos, a chance de isso acontecer também é quase nula.

5. Os carros elétricos não são melhores para o meio ambiente
Por não emitirem poluentes prejudiciais ao meio ambiente, os carros elétricos definitivamente são uma alternativa melhor do ponto de vista da sustentabilidade quando comparados aos veículos a combustão. Um motor tradicional tem como resultado de seu funcionamento elementos como monóxido de carbono, dióxido de carbono, dióxido de enxofre, material particulado (fuligem), entre outros; o motor elétrico, por sua vez, não emite gases ou poluentes.

Novo Nissan Leaf

A questão que realmente preocupa é a origem da energia que alimenta a bateria desses carros. Se a força for proveniente de uma usina de carvão ou petróleo, por exemplo, a poluição gerada não será muito diferente da de um motor convencional.

Contudo, há diversas formas sustentáveis para a obtenção de energia elétrica. A possibilidade de fazer uso de usinas hidrelétricas, gás natural e outras fontes renováveis coloca os motores elétricos à frente quando o assunto é preservação ambiental.

Além disso, é importante ter em mente que o Brasil é um dos países com a matriz energética mais limpa e com um imenso potencial para fontes alternativas (solar, eólica, biocombustíveis etc.), garantindo vantagem aos veículos elétricos no que se refere ao meio ambiente.

6. É preciso tomar cuidado extra ao lavar os carros elétricos
Como já foi explicado, os carros movidos a eletricidade não oferecem perigo de choque aos motoristas. Isso acontece porque a bateria e todos os outros componentes elétricos estão muito bem isolados do ambiente externo, praticamente eliminando o risco de qualquer tipo de acidente envolvendo a carga que alimenta o veículo. Portanto, não é preciso ter cuidados extras ao lavar carros elétricos.

7. Carro elétrico não oferece “emoção” para o motorista
Engana-se quem pensa que não é divertido dirigir um carro elétrico. É verdade que o motorista não vai ouvir o “ronco” do motor, algo que é bem característico dos veículos movidos a combustão — muito embora alguns modelos tentem simular essa sensação, ela certamente não será a mesma —, porém dirigir um carro elétrico proporciona uma vivência nova e igualmente prazerosa.

Novo Nissan Leaf

O torque instantâneo (muito mais rápido que um motor a combustão), que proporciona uma aceleração imediata, entrega uma esportividade na condução similar à dos carros de combustão interna mais potentes, e o silêncio de um modelo movido a eletricidade com certeza encantará aqueles que tiverem a oportunidade de testar um carro elétrico.

8. O carro elétrico é mais caro, mesmo no longo prazo
É verdade. Quando comparamos os preços de tabela dos carros de motor a combustão e os dos veículos movidos a eletricidade, estes são realmente mais caros. Contudo, a tendência é de que essa diferença diminua significativamente com o tempo, o que já começa a ser observado nos modelos disponíveis atualmente.

Além disso, em médio e longo prazos, o carro elétrico de fato é mais econômico. Primeiramente, o valor gasto com energia elétrica por quilometro rodado é mais baixo que o valor gasto com um veículo gasolina. Além disso, os custos com revisões são inferiores, pois o motor é bem mais simples, exigindo menos manutenção.

9. Demora muito tempo para recarregar um carro elétrico
Essa é outra preocupação genuína daqueles que estão interessados em adquirir um carro elétrico, mas hoje o cenário é muito mais favorável.

Novo Nissan Leaf

Embora não seja recomendado recorrer a esse método com tanta frequência (o que pode diminuir a vida útil da bateria), é bom saber que em um momento de urgência o carro não ficará parado por muito tempo. A melhor alternativa é deixar o veículo carregando em casa ou no trabalho, assim como fazemos com nossos smartphones. Com o carregador doméstico (wallbox) o carregamento completo da bateria acontece em torno de 8 horas.

Raramente deixamos o combustível chegar a níveis críticos, e a mesma prática pode ser adotada para os motores elétricos, o que significa que serão poucos os momentos em que a bateria precisará ser recarregada por inteiro. Deixando o veículo conectado durante a noite, em casa, é bem provável que a bateria estará completamente cheia na manhã seguinte, e o carro estará pronto para levar o motorista aonde ele precisar.

Fonte: Tecmundo