Limitar carga rápida em 80% protege bateria do VE

postado em: Autossustentabilidade | 0

Entenda a razão de os carregamentos rápidos em automóveis elétricos ficarem sempre restritos a 80% da capacidade da bateria. É para proteger as baterias de íon-lítio.

Para se ter uma ideia, é como tentar encher um copo com uma torneira de alta pressão sem derrubar nenhuma gota de água para fora.

O funcionamento básico dos carregadores é o mesmo, independentemente se ele é convencional ou rápido, e isso inclui a velocidade de recarga variável.

O sistema aumenta a corrente elétrica aos poucos até um limite pré-programado, e o mantém pela maior parte do tempo. No entanto, quando ele se aproxima da capacidade máxima (geralmente próximo dos 80%), o controlador passa a reduzir gradualmente a quantidade de energia que vai para o acumulador para evitar danos nas baterias.

O motivo é que o íon-lítio requer mais corrente para armazenar eletricidade quando está próximo de sua capacidade máxima.

Como isso pode gerar sobrecarga – algo crítico nesse tipo de bateria –, um sistema de proteção reduz o fluxo de energia, aumentando o tempo necessário para chegar a 100%.

Outra limitação do processo de recarga rápida é o aquecimento dos fios. Por isso, empresas já desenvolveram até aparelhos com refrigeração dos cabos por líquido. As baterias também se aquecem no processo, e podem até acionar o ar-condicionado do carro (ou um climatizador próprio) para manter as células em uma temperatura adequada.

Fonte: Verde Sobre Rodas

Origem: Quatro Rodas